Loading...
 
 

CONHEÇA UM POUCO DE NOSSA HISTÓRIA

Marie Magdeleine Galliod, nossa Fundadora, queimava por zelo apostólico; ela mapeava o mundo descobrindo sempre novas terras para desbravar!

No início do Instituto, um panfleto sobre as Auxiliares do Sacerdócio chegou ao Brasil e suscitou um pedido de fundação. Essas informações encontram-se numa correspondência arquivada. Mas a situação do grupo ainda jovem e frágil, fez com que a Fundadora não pudesse infelizmente corresponder à demanda.

Precisava esperar… “até quando Senhor?”

O momento chegou em 1962. Após um apelo para a África, a voz da América Latina ressoou nos ouvidos e no coração do nosso Conselho Geral, pela mediação do saudoso Dom Helder Câmara, o Bispo dos Pobres.
Ele desejava uma pequena comunidade que residisse numa favela de Rio de Janeiro. Por coincidência, como pela primeira vez, a Congregação não estava em condições naquele momento de satisfazer plenamente o pedido.

Mas quem sabe? Não podia ainda libertar uma pequena parcela de sua “modesta parte” para responder a este novo chamado além fronteira?

A Superiora Geral de então se deixou tocar, “sou louca” dizia ela.

1911 Uma Aposta louca…

1911, a França é atravessada por correntes que minam as instituições e pessoas. Uma nova sociedade é construída, marcada pela revolução industrial e social, a democratização, o secularismo completo, a legislação anti-clerical. indiferença religiosa ganhando campo.

Marie Galliod tem 25 anos . Ela descobre gradualmente o sofrimento e o isolamento dos sacerdotes.  o coração de Sabóia, véspera de Natal, uma intuição : os sacerdotes têm necessidade de ajuda!  o participar do seu ministério, através da oração e da ação apostólica. Ajuda incomum na época …

Esta idéia vai fazer o seu caminho …

A força de amor levantou. Através de encontros, contradições, momentos de luz e escuridão, Marie Galliod caminha, arrastada pelo Espírito.

Em 1923, companheiras se juntam a ela e formam o primeiro grupo das Auxiliares do Sacerdócio, para seguir Cristo Sacerdote . Em 1926 , a congregação é reconhecida pela Igreja.

À ESCOLA DE SANTO INÁCIO DE LOYOLA

Conhecer Cristo para conhecê-lo mais, servi-lo, para a maior Glória de Deus
Esse conhecimento de Cristo aprofunda-se dia após dia pela oração, pela meditação da Escritura.

Amar e servir a Igreja.

Oferecer a nossa pessoa toda em disponibilidade para o Reino de Deus.
Buscar Deus em todas as coisas: a dinâmica da nossa existência!

Os Exercícios Espirituais de Santo Inácio abrem à Contemplação na ação e ao discernimento dos espíritos. Escola de liberdade, eles permitem a unificação da pessoa.

Receber e dar
A vida, recebi
de meus pais
de Deus meu criador …

O que sou, o recebo
a cada dia,
de Deus
daqueles que me amam
daqueles que me cercam.

Eis me aqui posta em movimento:
convidada a receber e a dar.
Então toda a minha vida se torna EUCARISTIA,  AÇÃO DE GRAÇAS!

 

Rezemos juntos:

« Ó Jesus, Eterno Sacerdote que sempre se oferecera e permanece em oblação eterna com toda a humanidade para a glória de Deus, conceda-nos a graça de conhecer, amar, servir o seu coração sacerdotal e zelar para que reine, custe o que custar.»

Oração de nossa fundadora Marie Magdeleine Galliod

Contemplar o mistério do amor de Cristo Sacerdote, expressá-lo  em toda nossa existência.

Consagradas a Deus na vida religiosa apostólica, na dinâmica do sacerdócio dos batizados em
comunhão de oração e ação com os sacerdotes , somos chamadas a amar a Igreja , a sentir com a Igreja, a trabalhar na Igreja

Seguindo o Cristo pobre, escolhemos colocar em comum tudo o que recebemos, sem possuir nada. O Espírito de pobreza nos dispõe a ouvir o grito dos pobres e para testemunhar os valores da partilha e da justiça .

É o voto de POBREZA

Seguindo o Cristo casto , nós escolhemos amar do seu jeito. É Cristo que alarga o nosso coração. Ela nos ensina a respeitar uns aos outros, nos torna vulneráveis a todo o sofrimento e nos abre à fraternidade universal.

É o voto de CASTIDADE no celibato

Seguindo o Cristo obediente , nós escolhemos nos colocar à escuta da Palavra de Deus que nos torna disponível aos apelos do mundo e da Igreja. Depois de um diálogo, acolhemos a missão confiada pela Superiora Geral.

É o voto de OBEDIÊNCIA

Escolher Viver

Escolher a vida religiosa pode parecer um caminho completamente louco… e isso é um pouco a verdade!

Acreditamos que o mundo tal como é, carrega nele as razões para esperar e devemos procurá-las incansavelmente. Nosso mundo precisa de homens e mulheres que acreditam na justiça, no perdão, na partilha e testemunham por toda sua vida do amor de Cristo para todos. Um caminho um pouco louco! Um caminho realmente diferente do mundo de hoje. Mas um caminho de vida, um caminho de felicidade!

Viver em comunidade é parte integrante da missão . A vida comunitária embasa-se no chamado de Deus que nos constitui irmãs. Nós não nos escolhemos.
Queremos testemunhar que o amor de Cristo torna possível uma vida juntas com nossas riquezas, nossas diferenças, os nossos limites.

Vida Comunitária
Vivemos em pequenas comunidades
Missão:

Nossa vida comunitária é ordenada para a missão. Cada comunidade organiza o seu ritmo de vida em função dos compromissos de cada uma, dos tempos de oração, das reuniões comunitárias…
Tempo de oração
Toda a nossa vida constitui a matéria de nossa oração…
A oração comunitária nos reúne a cada dia e nos une à oração litúrgica da Igreja, pelo Louvor das Horas.
A Eucaristia, sacramento da Páscoa de Cristo, está no centro da nossa vida.

Projeto comunitário

Um projeto comunitário ajuda a nos dizer o que nos une num lugar preciso.

Os encontros comunitários

Enviadas e dispersas pela missão, nós nos encontramos regularmente para um encontro da comunidade. E nós pegamos o tempo para refletir sobre nossos compromissos, os acontecimentos do mundo, partilhamos a Palavra de Deus…, juntas nos assumimos nossas respectivas missões.

As tarefas diárias

A vida comunitária se expressa pelos serviços fraternos, a partilha das tarefas diárias, as preocupações e alegrias.

Brasil e França